Licenciada em 2002, juntou-se à equipa XIS em março de 2018, pouco tempo depois de a sua empresa de consultoria ter sido contratada para desenvolver um plano de marketing e comunicação para o XIS Group. Não hesita em afirmar que, aqui, encontrou um lugar feliz, a área perfeita para quem, desde cedo, sempre gostou de comunicar, cara a cara, olhos nos olhos. A sua grande paixão são as pessoas, não se cansa de repeti-lo, e não é por acaso que uma das suas principais áreas de interesse, onde se movimenta com um à vontade desconcertante, é o Desenvolvimento Pessoal.

De espírito livre, alternativa se assume, e se não tivesse contas para pagar, viveria de bom grado numa comunidade hippy, "de pé descalço todo o dia."

“Sou uma pessoa de pessoas, gosto de sentir que estou a ajudá-las. Não sou nada dada à folha de Excel.” [Riso]. Passa grande parte do dia a “espalhar a semente do XIS Group, a dizer ‘estamos aqui’” e a gritar os predicados que, na sua perspetiva, tornam o grupo tão singular: proximidade, competência e profissionalismo. “Estou aqui para dar a conhecer quem somos e mostrar aos nossos clientes e potenciais clientes como podem modernizar as suas ferramentas de trabalho.”

“Somos alguém que lhe oferece a mais avançada tecnologia”. É verdade, mas são as pessoas a parte mais importante do todo dessa engrenagem. “Não há tecnologia que, não estando ligada às pessoas, vá funcionar. Por melhor que seja o software. A parte humana é fundamental, e nós não queremos, de modo algum, comprometê-la.”

Gente real, em tempo real, de corpo inteiro em tudo quanto sonha e faz. Há 25 anos que a história se constrói sob este mote, também, e muito, a partir de dentro. Pelas mãos de uma equipa altamente qualificada e competente. Gente feliz.

“Não fazemos as coisas pela metade, trabalhamos com afinco e respeitando as pessoas. Em nenhuma outra empresa senti este respeito pelo espaço do outro, pela vida familiar do outro. No XIS Group, não existe a preocupação de 'picar o ponto', o que importa é estar disponível. Há uma aceitação de que a vida é para viver, de que é importante ter uma vida pessoal além da profissional.”

Tempos livres? A resposta surge na interrogativa: "quantas horas temos?" Atividades na natureza, sobretudo bodyboard, e música. É viciada em concertos e gosta de arte, mas... "Não me metam três horas numa galeria nem a ver monumentos." [Riso].